Pular para o conteúdo
Home » Helicóptero de Controle Remoto B-Flyer Usando Hélices de Alumínio

Helicóptero de Controle Remoto B-Flyer Usando Hélices de Alumínio

Helicópteros de controle remoto são muito divertidos, principalmente se você tiver uma área grande dentro de um local fechado para decolar seu helimodelo. Caso prefira sair para fora, o vento por ser um fator complicante, principalmente se houver alguns obstáculos ao redor. Foi o que aconteceu com meu B-Flyer, um pequeno helicóptero elétrico muito interessante, mas que não voa bem em ambientes outdoor. Continua…

Era uma manhã muito bonita, resolvi levar o b-flyer para a fazenda a fim de fazer um voo com a nova bateria de Li-po 1300mHa que havia instalado recentemente. Soprava um vento sul que vinha em direção a quilha do helicóptero. Após o checklist coloquei potência no pequeno helimodelo, que subiu com vigor para o céu azul. Logo percebi que o vento estava empurrando o b-flyer para longe, ao passo que ele subia rapidamente. O reflexo foi de levantar a cauda para cima, corrigindo a rolagem. Não funcionou, o rotor de cauda possuía um motor muito fraco e não foi suficiente para lutar contra o vento.

Nesse ponto deu saudade do avião Telemaster elétrico que é capaz de vencer qualquer tipo de condição meteorológica.

Uma leve brisa empurrava o B-flyer para um final trágico: uma colisão contra um poste de iluminação, a uma altitude de 6 metros. Um cabo de suporte do poste foi o vilão, impedindo que as hélices do aparelho continuassem girando. A colisão foi inevitável, o helicóptero caiu como um tijolo de chumbo. Espantado com a queda, me restou ter a frieza de baixar a aceleração do rotor principal.

Recuperando os Destroços do B-Flyer

Conferindo os destroços: tudo estava fora do lugar. O fio da antena havia enrolado no mastro do rotor. A cabine havia se desprendido do chassi, deixando a carenagem com um aspecto horroroso. As hélices estavam destruídas, completamente dilaceradas pela colisão com o cabo de aço 6 metros acima. Uau! Pensei: vamos construir outra hélice, uma que não quebre tão facilmente, que seja leve o bastante para dar autonomia de voo e que possa deixar o B-flyer ainda mais bonito!

Mudando o Paradigma das Hélices

Usar uma hélice de alumínio foi a solução mais interessante, também a que deu melhor efeito estético. O empuxo pode ser controlado entortando a lâmina da hélice para formar um aerofólio de grande arrasto e alto empuxo. Como o B-flyer é multi-motor, não houve qualquer problema quanto ao arrasto maior. No final, o helicóptero está voando até 50 metros de altitude (limite do rádio com o fio da antena estendido), proporcionando grandes emoções outdoor. Voando pela manhã, antes das 9 horas, é possível encontrar condições de vento calmo o suficiente para uma pilotagem gostosa e prazerosa.

Confira o Vídeo que Mostra as Hélices de Alumínio

 

 

Mais alterações foram feitas nesse helimodelo, agora é possível voar contra o vento, usando um rotor de cauda ainda mais potente que o original (que parou de funcionar), deixando o helicóptero ainda mais interessante.

Bons voos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *